RESISTÊNCIA

Raimundo Palhano
(relatório de viagem, 6)

Há uma tristeza no ar,
uma dureza, aspereza, no ar.
Muita gente conformada com os disformes da vida.
O momento sem movimento,
sem nada nas veias escarlates,
nessa sinfonia sepultada.
Haverá a memória da história
e daqueles que te ouviram e amaram?
Teus brados de alerta. Vermelhos. Inês.
Em que lugar da terra ainda consegues dormir?
Both comments and trackbacks are currently closed.
%d blogueiros gostam disto: